Radio Alvorada FM Ao Vivo.

DATA E HORA

PAGINA INICIAL

ATENÇÃO LEITORES:

ATENÇÃO: A DIREÇÃO DO BLOG ALONSOBISORÃO DEIXA CLARO QUE NÃO SE RESPONSABILIZARA PELOS COMENTÁRIOS POSTADOS NAS MATÉRIAS PUBLICADAS NESTE BLOG, TODOS FICARÃO CIENTES QUE AO PUBLICAREM QUALQUER COMENTÁRIO INADEQUADO OU OFENSIVO, QUE O MESMO SERÁ DE SUA INTEIRA RESPONSABILIDADE. ATENCIOSAMENTE A DIREÇÃO DO BLOG ALONSOBISORAO.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Aprovado tombamento de imóveis rurais no Piauí, incluindo Floriano-PI.

O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, reunido na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em Brasília-DF, aprovou nesta quinta-feira, dia 15 de maio de 2014, o tombamento da Fábrica de Laticínios, no município de Campinas do Piauí, e do Estabelecimento Rural São Pedro de Alcântara, em Floriano-PI, dois imóveis integrantes das Fazendas Nacionais do estado. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).
O Estabelecimento Rural São Pedro de Alcântara e a Fábrica de Laticínios decorrem das antigas Fazendas Nacionais do Piauí que, originalmente eram grandes extensões de terras doadas aos primeiros desbravadores, no Brasil colônia. Mais tarde pertenceram à Companhia de Jesus e, quando foram expulsos, em 1759, as terras passaram à Coroa Portuguesa e, em seguida, ao Império.  Com a República, as Fazendas Nacionais ficaram em poder da União, que arrendou ou vendeu parte das terras que originaram vários municípios no atual Estado do Piauí.
A Fábrica de Laticínios, em Campinas do Piauí, e o Estabelecimento Rural São Pedro de Alcântara, em Floriano-PI, São importantes testemunhos da ocupação do interior do Brasil durante os séculos XVIII e XIX.  Nesse sentido, proposta de tombamento pelo IPHAN está relacionada com o processo de ocupação decorrente da utilização das Fazendas Nacionais a partir de projetos de aproveitamento da mão-de-obra remanescente da escravidão. O valor arquitetônico das duas edificações também merece destaque. São exemplos emblemáticos do patrimônio edificado no Brasil entre o final do século XIX e começo do XX, tanto da arquitetura tradicional piauiense, que se utiliza de materiais e técnicas locais, quanto da arquitetura industrial implantada no interior do país em pleno século XIX.
A IMPORTÂNCIA DO PATRIMÔNIO RURAL NO INTERIOR DO BRASIL:
O governo do Brasil, durante o Império, utilizou as então chamadas Fazendas Nacionais com diversas finalidades, empregando mão-de-obra recém liberta. Nesse contexto, foi criada uma escola agrícola no atual município piauiense de Floriano após a promulgação da Lei do Ventre Livre, em 1871, para assegurar a educação dos filhos de escravos libertos. Além disso, o Estabelecimento Rural São Pedro de Alcântara é também a materialização de um dado momento histórico brasileiro representado pelos materiais empregados na sua construção e pela linguagem arquitetônica em que foi construído, típica do século XIX. Atualmente, o que resta da antiga edificação corresponde praticamente ao bloco principal, que permaneceu como testemunho do Estabelecimento Rural, com área de 358m². As paredes são de alvenaria de tijolo, com cobertura em telha cerâmica sustentada por estrutura de carnaúba, formando praticamente um único volume retangular.
Já a Fábrica de Laticínios, de Campinas do Piauí, é o resultado da industrialização e do desenvolvimento do sertão piauiense com a produção de manteiga e queijo utilizando o leite vindo das Fazendas Nacionais. Construída em 1897, foi à primeira edificação erguida na região, seguida pela vila operária em seu entorno para abrigar os trabalhadores da fábrica. O prédio é um raro exemplar da arquitetura industrial piauiense do século XIX.  Possui quatro volumes: o corpo principal em forma retangular, outro volume retangular na parte frontal e dois outros na parte posterior.  A chaminé se sobressai acima do corpo principal da edificação.  Assim, os dois empreendimentos se constituem em documentos da ocupação do território brasileiro.
O CONSELHO CONSULTIVO DO PATRIMÔNIO CULTURAL:
O Conselho que avalia os processos de tombamento e registro é formado por especialistas de diversas áreas, como cultura, turismo, arquitetura e arqueologia. Ao todo, são 23 conselheiros, que representam o Instituto dos Arquitetos do Brasil – IAB, o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios - Icomos, a Sociedade de Arqueologia Brasileira – SAB, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama, o Ministério da Educação, o Ministério das Cidades, o Ministério do Turismo, o Instituto Brasileiro dos Museus – Ibram, a Associação Brasileira de Antropologia – ABA, e mais 13 representantes da sociedade civil, com especial conhecimento nos campos de atuação do IPHAN.
POSTADA POR: Alonso Bisorão.
FONTE: http://portal.iphan.gov.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário