Radio Alvorada FM Ao Vivo.

DATA E HORA

PAGINA INICIAL

ATENÇÃO LEITORES:

ATENÇÃO: A DIREÇÃO DO BLOG ALONSOBISORÃO DEIXA CLARO QUE NÃO SE RESPONSABILIZARA PELOS COMENTÁRIOS POSTADOS NAS MATÉRIAS PUBLICADAS NESTE BLOG, TODOS FICARÃO CIENTES QUE AO PUBLICAREM QUALQUER COMENTÁRIO INADEQUADO OU OFENSIVO, QUE O MESMO SERÁ DE SUA INTEIRA RESPONSABILIDADE. ATENCIOSAMENTE A DIREÇÃO DO BLOG ALONSOBISORAO.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Acusado de tentativa de assalto em Barão de Grajaú-MA declara ter sido preso injustamente.

No início da tarde desta quarta-feira (11/12/2013), a redação do portal de Notícias Floriano News foi procurada por Ordiley Damasceno Silva, um dos presos acusado da tentativa de assalto a Agência do Banco do Brasil, no município de Barão de Grajaú, no dia 03 de dezembro.
De acordo com Ordiley Damasceno, preso por volta das 04h00 na Beira-rio, em Floriano, o mesmo não tinha nada haver com a tentativa de roubo.
“Eu tinha vindo dia dois sacar meu beneficio de acidente de trabalho na Caixa, saquei mil e pouco e fui para Beira-rio em Floriano e estava bebendo e por volta de 04h00 o comando do GATE de Floriano me prendeu, me agrediu, e me conduziu ate a delegacia de Barão de Grajaú, onde fiquei preso até as 20h00", disse  Ordiley.
Sem portar armas ou reagir à prisão, Ordiley Damasceno foi detido sozinho e alegou desconhecer a tentativa de assalto ocorrida no município maranhense.
“Nesse horário me liberaram e me pediram foi desculpas, aí eu falei que não deveriam prender uma pessoa inocente e ao mesmo tempo agredir”, declarou.
Ordiley Damasceno só tomou conhecimento do caso ao ser liberado pela policia, quando perguntou o que estava acontecendo.
“Quando me soltaram, aí que eu perguntei a Polícia de Barão o que estava acontecendo; eles me mostraram umas fotos do acontecido e os dois presos que estavam na mesma cela em que eu estava.”
Depois de ser preso injustamente, o cidadão tentou ainda realizar um corpo de delito, com autorização da delegacia de Polícia Civil de Floriano-PI.
“Mas como estava com seis dias não tive como comprovar corpo de delito. Aí eu vou parar o caso por aqui, procurei o site para fazer uma nova retratação e explicar o que ocorreu”.
Ordiley Damasceno Silva é natural de Altamira, no estado do Pará e trabalha na empresa Cerâmica Industrial do Maranhão (CEIMAR), a 4 km de Barão de Grajaú.
FONTE: http://www.florianonews.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário